Cristiano Ronaldo abraça Benzema após gol pelo Real Madrid

Ex-promessa abre o jogo sobre fracasso no Real: ‘Eu achava que era Deus, mas amava as festas e as mulheres’

16/09/2022

Holandês foi contratado como grande revelação para o futuro do clube, mas amargou passagem apagada


Contratar jovens estrelas não é algo novo no Real Madrid. Muito antes de nomes como Vinicius Jr. e Rodrygo, o clube contratou, em 2007, um jovem holandês de 20 anos que brilhava no Feyenoord e na seleção de base da Holanda: Royston Drenthe.

15 anos depois, aos 35, Drenthe atua pelo pequeno Racing Mérida e acumula arrependimentos ao longo de sua carreira. Em entrevista ao jornal AS, o meio-campista disse que se sentia ‘como um Deus’.

“Eu tinha vinte anos e estava no auge da minha carreira. Era meu sonho entrar no vestiário do Real Madrid, nunca esquecerei isso. Mas você tem uma vida como jogador de futebol e uma vida como ser humano. Você pode misturar isso até certo ponto, mas não vi a necessidade de mudar meu estilo de vida imediatamente”, disse.

“Agora estou ciente de que não fiz a coisa certa, que cometi erros. Eu não estava pronto para ser um profissional. Eu achava que era Deus, amava as mulheres e festejava demais e você não pode combinar isso com futebol. Eu aprendo algo novo toda vez, mas o que aconteceu, aconteceu”, completou.

Drenthe ficou no Real Madrid entre 2007 e 2012, sendo emprestado nos últimos dois anos de contrato para Hércules e Everton, respectivamente. Ao todo, ele atuou em 65 jogos pelos merengues.

Tendo brilhado na Eurocopa sub-21 de 2007, o meia nunca se firmou na equipe principal. Em novembro de 2010, atuou por 10 minutos em amistoso contra a Turquia sob o comando de Bert van Marwijk.