Na Série C, técnico do Ferroviário revela dispensa de jogador por ameaça de morte a companheiro

02/11/2020

Com apenas uma vitória nos últimos cinco jogos, o Ferroviário, do Ceará, foi derrotado novamente, neste domingo, para o Treze, da Paraíba, por 1 a 0. Este foi o primeiro duelo da equipe do técnico Marcelo Vilar sem os cinco nomes dispensados na última sexta-feira (30 de outubro).

Após perder por 3 a 0 para o Vila Nova na última semana, o clube anunciou que o volante Magno Sousa, o zagueiro Olávio, o lateral-esquerdo Tiago Costa e os atacantes Siloé e Wesley haviam sido desligados do clube.

Na coletiva após a partida diante do rival mineiro, Marcelo Vilar explicou a saída dos atletas. Porém, o que mais chamou a atenção foi a justificativa para a dispensa do atacante Wesley que, nas palavras de Vilar, ‘chegou a ameaçar um colega de morte’, algo que foi tratado como ‘muito sério’ dentro do clube.

“Com Wesley, aconteceu um problema muito sério com ele e com outro atleta, em que ele ameaçou até de morte o outro atleta. Então, não podia continuar uma situação com o jogador dentro do elenco. Foi um garoto que eu pedi a contratação, eu dei todo o apoio a eles, nós sabíamos dos problemas extracampo que ele tinha, não esperava que isso acontecesse, mas a partir do momento que aconteceu, fica difícil para qualquer comandante, qualquer diretoria, dentro de um elenco de 36 jogadores, manter um jogador que ameaça de morte o outro”, disse o treinador.

Por outro lado, Vilar ainda explicou que o zagueiro Otávio pediu para sair por problemas particulares. Siloé, Magno e Tiago Costa deixaram o Ferroviário por terem relacionamento conturbado com a filosofia do treinador e com o restante do plantel.

“Eles não acreditavam no trabalho. O tempo todo com insatisfação. E a gente não quer ninguém insatisfeito dentro do grupo. O grupo tem 36 jogadores e é mais interessante é o bem-estar dos 36 jogadores do que de dois, três jogadores”.