Presidente Mauricio Galiotte apontou o calendário como grande problema da atuação da equipe no Mundial

Palmeiras faz oferta por Eduard Atuesta; veja por que negociação é ainda mais difícil do que a de Taty Castellanos

01/04/2021

O Palmeiras segue de olho no mercado internacional. O ESPN.com.br apurou com fontes ligadas ao clube paulista que foi realizada uma oferta pelo meio-campista Eduard Atuesta, do Los Angeles FC.

A negociação, no entanto, é vista como ‘muito díficil’ dentro do clube. Ao contrário das tratativas por Valentín Castellanos, do Group City, o acordo com o Los Angeles pelo colombiano depende apenas do pagamento integral, algo que dificulta e muito a negociação.

Neste caso, o Palmeiras não consegue postergar os pagamentos, uma vez que Atuesta tem contrato apenas até o final de 2021 com o Los Angeles, o que o possibilitaria de assinar um pré-contrato já no meio do ano.

O ESPN.com.br apurou com fontes ligadas ao Verdão que qualquer negociação internacional que dependa apenas do pagamento será muito difícil de acontecer.

O fator mais importante para isso é o valor do câmbio, que hoje tem um dólar valendo quase seis reais, isso impacta diretamente no valor de compra e também no salário do atleta, que chegaria ao clube recebendo seu salário em dólar.

Por que a negociação por Valentín Castellanos é mais fácil?

A negociação por Valentín Castellanos é um pouco menos complexa que a de Atuesta na visão do Palmeiras. O clube paulista enxerga que o centroavante argentino pode ser seduzido por um projeto a longo prazo de carreira, no qual o Palmeiras seria uma importante ponte que poderia levar Castellanos à Europa.

Além disso, as tratativas com o New York City, franquia do Grupo City, não dependem exclusivamente de um pagamento integral. É uma negociação que pode ser trabalhada com um empréstimo com opção de compra ou, como o próprio Palmeiras fez, uma tentativa de pagamento posterior ao acerto.

O grande entrave para que as duas negociações ocorram é o valor da moeda. O clube tem como objetivo o cumprimento das obrigações com salários e direitos de imagem, que, neste momento, comprometem quase que todo o orçamento do clube, uma vez que não existe renda de bilheteria, por exemplo, um dos principais ativos do Palmeiras.