Florentino Pérez, presidente do Real Madrid

Uefa ignora Justiça da Espanha e vai até o fim para punir Barcelona, Juventus e Real por Superliga

02/08/2021

Após a Justiça da Espanha suspender todas as ameças de punições feitas pela Uefa aos três clubes que restaram como fundadores da Superliga Europeia (Real Madrid, Barcelona e Juventus), a entidade que rege o futebol europeu ficou furiosa e passou a atuar nos bastidores para conseguir impôr algum tipo de gancho aos gigantes, segundo o jornal The Times.

Na última sexta-feira, um juiz espanhol ordenou que a Uefa publicasse em seu site que iria derrubar todas as punições financeiras e esportivas que planejava impor sobre os times “rebeldes”.

Além disso, o magistrado mandou que Premier League, LaLiga e Serie A italiana revogassem qualquer castigo planejado para as equipes que entraram na já “extinta” Superliga.

Uma fonte da Uefa, porém, disse ao jornal inglês que a entidade não irá cumprir a ordem da Justiça da Espanha, e que irá acionar a Corte Europeia para dar sequência às penalizações.

“A ideia de Superliga está morta”, afirmou a fonte, que não quis se identificar, ao The Times.

“Os torcedores mataram a Superliga, e não haverá ressurreição”, completou.

Em maio deste ano, nove dos 12 fundadores da Superliga, incluindo os membros do Big Six da Premier League, entraram em acordo com a Uefa e concordaram em pagar 15 milhões de euros para projetos de desenvolvimento de futebol de base no continente, além de abrir mão de 5% das receitas pagas pela Uefa por participação em competições continentais.

Também foi acordado que, caso algum time se “rebelasse” novamente, seria multado em 25 milhões de libras e perderia 30 pontos no Campeonato Inglês.

Além disso, a Serie A avisou aos clubes que caso alguém entrasse na Superliga, seria proibido de competir no Campeonato Italiano.